Desculpe-me o signo

Sempre ignorei completamente informações envolvendo signos, mas eles são tão levados a sério no Brasil que resolvi me render e até fazer meu mapa astral.

Não sei por que razão, mas em algum momento daquela tarde eu me tornei o tema central da conversa entre colegas de trabalho. Falavam das qualidades (ou seriam defeitos?) da minha personalidade. Tentavam entender por que eu era como sou. E, no Brasil mais do que em outros países, por algum motivo tão inexplicável quanto astrológico, a compreensão da alma humana passa necessariamente pelo signo zodiacal sob o qual a pessoa nasceu.

Para mim, o assunto sempre foi pouco relevante. Racionalmente, tenho dificuldades de acreditar que o jeito de ser de alguém é determinado ou influenciado por astros tão distantes, orbitando sem pressa um sol gigantesco que certamente ignora por completo a nossa insignificante existência na Terra. Meu conhecimento mais próximo e afetivo em torno desta temática se baseia no desenho animado japonês que marcou a infância da minha geração. Foi com ‘Cavaleiros do zodíaco’ que aprendi a ordem dos signos. E, passados tantos anos, a memória já me falha e por vezes esqueço alguns.

Mas minhas amigas de redação levam a questão muito a sério e me perguntaram, não sem antes tentar adivinhar, qual é o meu signo. Respondi, e mesmo aquelas que sabiam a data em que nasci ficaram surpresas com a resposta. Disseram que era impossível, que nenhum traço da minha personalidade correspondia. Logo perguntaram pelo ascendente, que – obviamente – eu não sabia. Sem se dar por vencida, uma delas resolveu consultar meu mapa astral na internet.

Mais minucioso que revista da alfândega em passageiros que vêm dos Estados Unidos, o site pedia informações detalhadas. Não bastavam o dia, mês e hora do nascimento; era preciso preencher também o nome completo, a hora e a cidade onde foi realizado o parto. Acredito que foi por muito pouco que não quiseram também o número do cartão de crédito e o código de segurança que vem gravado no verso.

As suspeitas que minhas colegas tinham se confirmaram: o problema não estava no signo, e sim no ascendente, na lua e no sol em algum dos planetas que já não me lembro mais qual é (até porque nem sei mais se Plutão continua sendo ou não um planeta, e olha que isso é um dado científico). A palavra mais simpática que elas usaram para descrever a minha personalidade depois de terem visto meu mapa astral foi “difícil”.

Achei toda a experiência muito curiosa. Por um lado, fiquei realmente espantado de ver como os signos são levados a sério. Por outro, essa história me despertou uma ótima ideia. Se as pessoas acreditam de verdade que quem somos é reflexo de uma conjunção de fatores celestiais, resolvi – daqui por diante – me valer do meu mapa astral. Queiram me perdoar por ser alguém horrível, é que eu sou escorpião com ascendente em áries.

Foto: reprodução/internet