'Frozen 2'

Roteiro fraco e recheado de clichês evita que animação crie identidade própria, mas personagens têm apelo suficiente para levar público de volta aos cinemas.

Com orçamento de milhões de dólares, empenho de centenas de profissionais e dispêndio de anos de trabalho, as animações estão entre as produções mais caras da indústria do cinema. Para minimizar riscos e maximizar lucros, os estúdios costumam apostar em remakes, reboots (quando uma saga é reiniciada) e continuações. É o caso de ‘Frozen 2’, sequência do enorme sucesso lançado pela Disney em 2013. Para efeito de comparação, ‘Frozen: uma aventura congelante’ custou US$ 150 milhões e arrecadou mais de US$ 1,2 bilhão no mundo todo. O segundo volume teve o mesmo orçamento e já ultrapassou o anterior em bilheteria, que vai aumentar mais, já que o filme acabou de estrear no Brasil e ainda está em cartaz em muitos países.

Na nova empreitada, Anna, Elsa, Kristoff, o boneco de neve Olaf e a rena Sven precisam desvendar um antigo mistério que envolve o reino de Arendelle e os poderes mágicos de Elsa. ‘Frozen 2’ é visualmente mais interessante e o roteiro tenta ser profundamente mais filosófico (Olaf, por exemplo, passa todo o tempo questionando a própria existência), mas apela para clichês como a importância da convivência pacífica entre os povos e a harmonia entre os elementos da natureza. Não fosse a falta do “coração”, Elsa poderia ser uma espécie de ‘Capitão Planeta’.

A aventura – presente até no título do episódio inaugural – é frouxa e sem clímax. Os conflitos são resolvidos tão rapidamente que mesmo as perdas, essenciais para a jornada do herói (no caso, heroínas), não são devidamente sentidas pelos protagonistas nem pelos espectadores. E há ainda personagens inexplicáveis, como o espírito do vento Gale, o cavalo – feito de água, mas que não é marinho – Nokk e a salamandra Bruni, cuja única função é ser fofa.

Os momentos mais inspirados do texto são de Olaf (brilhantemente dublado por Fábio Porchat, na versão em português), que serve como alívio cômico da trama. Suas questões existenciais, seu saber enciclopédico e suas tiradas conseguem arrancar muitas risadas. E cabe a ele protagonizar a melhor cena da animação: o momento em que resume os acontecimentos do primeiro filme. Na cena pós-crédito, esse truque se repete com a mesma eficiência para condensar a história que acabou de ser exibida.

Impossível falar do universo de Frozen sem lembrar de ‘Let it go’, uma boa canção que cansou pela quantidade de vezes que foi tocada. Menos grudenta e mais soturna, ‘Into the unknown’ até tenta vencer pelo cansaço (sua melodia é executada em diversos momentos), mas passa bem longe de grudar nos ouvidos pelos próximos meses. A versão para o português, ‘Minha intuição’, é ainda mais malsucedida do que ‘Livre estou’ havia sido. Para completar, a trilha sonora traz músicas pouco inspiradas em cenas que parecem clipes bregas de grupos pop adolescentes dos anos 1990.

A pretensão de ser mais denso esbarra tanto na fraqueza da estrutura narrativa quanto na profunda dependência da obra anterior, sobretudo de seus personagens. Por vezes, os diretores Chris Buck e Jennifer Lee até tentam se descolar e buscar uma identidade própria para a continuação, mas o estrondoso sucesso do primeiro volume parece chamá-los de volta à zona de conforto e novas sensações são rapidamente bloqueadas. O maior defeito de ‘Frozen 2’, com o perdão do trocadilho, é ser excessivamente frio.

Imagem: Disney/Divulgação