Três haicais

Sempre me encantaram os haicais. Quase parecem feitos de improviso, mas são versos bem elaborados em toda sua concisão e simplicidade. Alguns me vieram à noite, enquanto tentava dormir em tempos tão difíceis. Anotei-os no celular, retrabalhei-os há pouco e agora compartilho. 

Coração de ouro
Sempre que me vê
o ourives pergunta:
tá tudo joia?

Ouvido seletivo
Qual é a lata
onde a gente joga
conversa fora?

Amor estranho
Eu amo como
o cão coçando sarna:
alivia e fere.

Imagem: ‘La femme aux bijoux’ (1968), de Joan Miró