‘Frances Ha’

Você se lembra de quando era criança e passava horas fantasiando como seria sua vida quando crescesse? Se a resposta for positiva – o que é muito provável, já que a nossa imaginação na infância costuma ser bem fértil e o futuro é um vasto campo a ser explorado (e sonhado) -, você se imaginava exercendo uma profissão de sucesso, morando em uma casa incrível com a família perfeita que formou e cercado de muitos amigos.

Frances (Greta Gerwig) se via como uma grande bailarina, dançando nos palcos mais famosos do mundo. Perto de completar trinta anos, um divisor de águas definitivo para a fase adulta e uma idade na qual muita gente entra em crise, ela percebe que o futuro imaginado está mais distante do que ela gostaria: o término com o namorado, o afastamento da melhor amiga com quem ela dividia um apartamento e a instabilidade da companhia de dança da qual faz parte como bailarina substituta.

Enquanto a vida perfeita que tinha planejado para si parece afundar cada vez mais, Frances tenta manter a cabeça fora d’água e respirar. Passando de uma frustração a outra, a jovem de 27 anos vai aprendendo a lidar com os dissabores e com uma realidade que, por mais que queira, não pode evitar: a juventude, aos poucos, vai se esgotando e ela precisa assumir as responsabilidades da vida adulta.

Não se deixe enganar pela sinopse pessimista e pela fotografia em preto e branco que torna ainda mais melancólico o filme de Noah Baumbach (dos ótimos ‘A lula e a baleia’ e ‘História de um casamento‘) lançado em 2012 e disponível no catálogo da Netflix. O roteiro – escrito pelo próprio Noah em parceria com a protagonista, a atriz e hoje diretora Greta Gerwig – oferece momentos bastante singelos. Calcado em uma personagem muito bem construída, com a qual os espectadores se identificam logo de cara, ‘Frances Ha’ retrata com humor e doçura a vida de uma pessoa que é absolutamente comum, mas, nem por isso, menos interessante.

Foto: divulgação

‘Adoráveis mulheres’

Em 2007, Saoirse Ronan surpreendeu o mundo não pelo nome quase impronunciável, mas pela atuação assombrosa em ‘Desejo e reparação’, de Joe Wright. Ela interpretou Briony Tallis, uma jovem de 13 anos cuja mentira mudou o destino da irmã (Keira Knightley) e do affair dela (James McAvoy). A personagem – adaptada do romance de Ian McEwan – traz uma complexidade raramente atingida por atores mais experientes. Mas a jovem não só deu conta da tarefa como ainda conquistou uma indicação ao Oscar de melhor atriz coadjuvante. Tudo isso aos 13 anos.

Desde então, Saoirse vem enfileirando trabalhos memoráveis, a ponto de já ser considerada a Meryl Streep da nova geração. O mais recente deles, pelo qual também foi indicada ao Oscar, agora como protagonista, é ‘Adoráveis mulheres’. No longa-metragem, ela volta a trabalhar com Greta Gerwig, com quem fez ‘Lady Bird: a hora de voar’ (2017). Na nova produção, ela vive Jo March, uma jovem mulher que ousa desafiar o sistema patriarcal na segunda metade do século XIX, refuta o casamento como único destino possível e luta pela própria independência financeira.

A trama é baseada no clássico norte-americano ‘Mulherzinhas’, livro de inspirações autobiográficas escrito por Louisa May Alcott, que mostra a passagem da adolescência à vida adulta de quatro irmãs em meio à Guerra de Secessão. Jo, Beth (Eliza Scanlen), Meg (Emma Watson) e Amy (Florence Pugh, em atuação extraordinária) têm personalidades distintas e enfrentam o amadurecimento de maneira diferente, mas passam pelos desafios unidas pelo amor que sentem umas pelas outras.

Originalmente, Louisa escreveu o romance com um único objetivo: ganhar dinheiro para, assim como sua protagonista, ser livre. E, para isso, ela se dobrou aos desejos editoriais e recheou a história com detalhes que respeitavam a moral e os bons costumes então vigentes. O livro se tornou um sucesso instantâneo e, mesmo a contragosto (e detestando a própria obra), a autora publicou ainda duas continuações. O que chega às telas agora é apenas uma das muitas adaptações já feitas, mas a roteirista e diretora Greta Gerwig limou as lições de moral e optou por romper a estrutura linear. As idas e vindas evidenciam tanto o processo de amadurecimento quanto as relações de causa e consequência entre ações do passado e do presente.

O roteiro é tão bem construído que o espectador pode, em uma cena, concordar com determinado personagem e, logo em seguida, tirar-lhe a razão. Sem mocinhos ou vilões, são todos demasiadamente humanos e coerentes em suas trajetórias, o que permite a identificação não apenas com as protagonistas, mas também com os coadjuvantes. Facilita, obviamente, o fato de o elenco ter em papéis secundários atrizes como as veteranas Laura Dern e Meryl Streep (a melhor atriz em atividade no cinema americano), além do jovem ator em ascensão Timothée Chalamet (‘Me chame pelo seu nome’), que confere alguma simpatia a um aristocrata fútil.

A reconstituição da época é impecável, a fotografia de Yorick Le Saux imprime em diferentes tonalidades as fases da protagonista e a elegante trilha sonora de Alexandre Desplat sublinha os estágios emocionais da história. Com essa embalagem de luxo, a obra de Gerwig transforma um livro puramente mercantilista criado há mais de 150 anos em um filme que evoca questões em debate na contemporaneidade, sobretudo o papel da mulher na sociedade. Em tempos de conservadorismo, em que a misoginia parece ganhar força, expor o quanto ainda falta para as mulheres conquistarem a mesma liberdade dos homens se mostra absolutamente necessário. E ‘Adoráveis mulheres’ aponta que elas trazem em si a força necessária para chegar lá.

Foto: Wilson Webb/Divulgação