‘Meu nome é Dolemite’

Esteticamente impecável, filme retrata história de ator que foi ícone do cinema afro-americano dos anos 1970 e ajuda Eddie Murphy a resgatar sua carreira.

Desde 2006, quando interpretou o cantor de soul James “Thunder” Early no drama musical ‘Dreamgirls’, pelo qual foi indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante, Eddie Murphy se prestou a papéis bem aquém do talento que ele já tinha demonstrado. A única exceção ficou por conta da dublagem do burro de Shrek.

A carreira parecia fadada a repetir a fórmula que deu certo em ‘Professor aloprado’: interpretar vários personagens em um mesmo filme. Mas, sem um bom roteiro, testemunhamos a derrocada de Murphy em bombas como ‘Norbit, uma comédia de peso’ e ‘O grande Dave’. Felizmente, veio também do humor a sua tábua de salvação. E ela atende pelo nome de Dolemite.

Na Los Angeles dos anos 1970, o comediante Rudy Ray Moore decidiu apostar todo seu dinheiro e prestígio para fazer um longa-metragem. Ele já era famoso pelas apresentações em boates e pelos discos com músicas cômicas e piadas repletas de vulgaridades e palavrões quando resolveu brilhar também no cinema. É essa empreitada que está recontada no filme ‘Meu nome é Dolemite’.

Com respeito e paixão pelo papel que interpreta, Eddie Murphy entrega ao espectador a melhor performance de sua carreira. Não é um personagem fácil. Ao mesmo tempo em que é um showman extravagante e exibicionista, Dolemite tem também profunda consciência do lugar que ocupa; ele é uma estrela e um exemplo para a comunidade negra dos Estados Unidos. Outro destaque do elenco é Wesley Snipes, que também andava em baixa e agora ganha novamente a chance de brilhar.

Os detalhes técnicos são bastante apurados. A direção de arte é impecável ao recriar a atmosfera dos anos 1970, os figurinos exploram o estilo inconfundível que marcou época e a trilha sonora embala tudo isso com o swing de hits de grandes nomes da música afro-americana, como Marvin Gaye. Somando esses elementos, o diretor Craig Brewer faz de ‘Meu nome é Dolemite’ não apenas um bom filme, mas um comovente tributo ao fenômeno cinematográfico da blaxploitation.

Foto: François Duhamel/Divulgação