‘Festival Eurovisão da Canção’

Ando um pouco monotemático, eu sei, mas é que o cinema realmente tem sido uma das melhores companhias durante a quarentena. Ainda mais porque, como ressaltei recentemente aqui, estão chegando às plataformas de streaming os filmes mais cotados para a temporada de premiações do cinema americano. O Globo de Ouro e o Sindicato dos Atores de Hollywood (SAG), por exemplo, já anunciaram seus indicados e já pipocam (pescaram o trocadilho?) as previsões para o Oscar, que este ano vai ser no final de abril.

Não sei explicar a razão, mas paira no inconsciente coletivo hollywoodiano a máxima de que filme bom tem que ser dramático. Basta passar o olho entre os indicados em anos anteriores para confirmar que as comédias raramente têm vez. A exceção é o Globo de Ouro, que divide o prêmio máximo em duas categorias: uma para os dramas e outra para comédias ou musicais. Tendo a ser contra a divisão por achar que filme bom é filme bom e ponto, independentemente de a que gênero ele pertença. Por outro lado, é positivo saber que há boas produções cômicas.

No fim da tarde de um domingo recente, procurava o que assistir para passar o tempo. Buscando por algo mais leve, acabei topando com ‘Festival Eurovisão da Canção: a saga de Sigrit e Lars’, disponível desde junho no catálogo da Netflix e que aparece como possível concorrente ao Oscar nas categorias de maquiagem, som e canção original (‘Húsavik’). O filme conta a história de uma dupla de islandeses, vivida por Will Ferrell e Rachel McAdams, que sonham participar do Eurovisão, competição musical que reúne representantes de países da Europa e de Israel.

Obviamente, eles não são lá muito bons. E, sim também, tudo termina exatamente da forma como você está pensando. Não é preciso contar nada além da sinopse para que o espectador deduza o restante. O fato de ser previsível torna um filme ruim? Não, desde que a história seja bem conduzida. Infelizmente, não é o caso de ‘Festival Eurovisão da Canção’. Praticamente nada é crível, os personagens são muito estereotipados e a grande maioria das piadas simplesmente não funciona ou causa algum nível de constrangimento. Nem mesmo os musicais se salvam. E olha que o diretor David Dobkin tem relativa experiência com videoclipes. Era melhor ter apostado em um drama…

Foto: Netflix/divulgação

3 comentários sobre “‘Festival Eurovisão da Canção’

  1. Eu gosto de filmes europeus… na semana passada assisti a um alemão que foi premiado em Berlim e gostei. Faz tempo que os filmes feitos nos Estados Unidos me causam preguiça. No final do ano passado, assisti a dois filmes de terror nacionais (brasileiros) e me espantei com a qualidade por não considerar um gênero muito bom por aqui, que parece investir no velho gênero de comédia bizarra (que não me agrada).
    Os canadenses também tem feito coisas interessantes e fugindo do drama, investindo em narrativas interessantes. Não assino a netflix, o streming ainda não me convenceu a gastar moedas com o formato. Experimentei os tais trinta dias grátis, mas no segundo dia já sabia que não era para mim. rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s