Bichos que voam

Deve haver uma palavra para definir o medo de insetos voadores. Joguei no Google, como fazem todas as pessoas que têm alguma dúvida hoje em dia, e o resultado foi um tanto impreciso: entomofobia, que é o medo de insetos em geral. Encontrei ainda nos resultados a motefobia, que é o pavor de borboletas, mas que pode se estender a outros insetos que voam e até pássaros. Não era bem isso, mas – na falta de algo mais exato – serve.

Cheguei a esta pesquisa após um causo que relato agora. Logo depois de entrar no banheiro do trabalho para escovar os dentes, notei a nada discreta presença de uma mariposa pousada na divisória de mármore entre dois mictórios. Sem exagero, o bicho tinha cerca de um palmo de comprimento, grande o suficiente para me deixar cabreiro. Inclusive, para me fazer mudar de pia. Fui para uma mais distante, de onde eu poderia manter contato visual e não ser pego desprevenido.

Escovei os dentes com preocupação. A mariposa continuava lá, impassível. Não se abalou nem mesmo quando duas pessoas usaram o mictório ao seu lado. Eu, por minha vez, preferi usar a cabine depois de terminada a higiene bucal. E atento a uma possível invasão aérea, que poderia ser bem perigosa. Afinal, reza a lenda que as asas de mariposas e borboletas soltam um pó que podem nos deixar cegos.

Crendice, claro! Que não justifica meu desconforto em relação a insetos voadores. Ok, desconforto não, medo mesmo. No entanto, o medo tem uma função importantíssima: nos proteger dos perigos do mundo. É ele que nos faz, por exemplo, não cutucar a onça com vara curta, literalmente falando.

Deve haver uma explicação racional para essa aversão a seres alados tão pequenos. Arrisco dizer que seja a imprevisibilidade da rota que farão ao levantar voo. O que me afligia, parando para pensar agora, é não ter a capacidade de calcular com segurança onde eles vão parar. E o que gera insegurança nos desestabiliza, não?

Senão a ciência, talvez Freud explique. O que significa dizer que a culpa é da minha mãe. Também é possível. Ela tem verdadeiro pavor de baratas e foge de uma sempre que vê, pedindo que alguém a salve do monstro. Não podendo fugir, ela descarrega grandes quantidades de inseticida para exterminar o inimigo. O medo é tanto que ela mantém frascos em diferentes cômodos para evitar ficar encurralada. Uma estratégia extremamente sagaz, mesmo que a dedetização esteja sempre em dia.

Se é válido o clichê que diz que há uma exceção para toda regra, a da minha entomofobia fica por conta dos mosquitos. São pequenos demais e irritantes demais para causar medo. A eles, principalmente aos que insistem em zumbir no meu ouvido à noite, reservo a minha raiva e, com palmadas ou raquetes elétricas, meu desapreço.

O papo está ótimo, mas, se me dão licença, vou ali fechar a janela. Vai que entra um bicho voando…

Imagem: ‘Giant peacock moth’ (1889), de Vincent van Gogh

3 comentários sobre “Bichos que voam

  1. Moro num apartamento e a rua lateral é bem arborizada. Bichos, insetos e pássaros surgem a todo o momento por aqui. Alguns bem estranhos. Não tenho medo, mas vivo treinando arremessos com eles na base do peteleco. Alguns são sonoros. Os pássaros se chocam contra a porta de vidro. Ainda não aconteceu de se machucarem, mas tenho uma cachorrinha bastante arisca com tudo que voa, rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s