Então é Natal

Novembro já se prepara para passar o bastão a dezembro, mês que costuma sacramentar não apenas o fim do ano, mas também o início da série de retrospectivas, confraternizações e toda sorte de clichês envolvendo o tempo. Desta vez, é pouco provável que alguém diga que passou voando ou que 2020 parece ter começado ontem. Que ano, meus amigos! A sensação – ou, pelo menos, a minha impressão – é que ele veio como um rolo compressor, atropelando tudo o que viu (e até o que não viu) pela frente. Para o bem ou para o mal, vai ser difícil esquecê-lo.

Deixo a retrospectiva para um outro momento, se é que vai valer a pena fazê-la. A vacina, ao que tudo indica, ficará para o ano que vem. Aglomerar com segurança, só depois disso. Deixar de usar máscara também. Ou seja, 2021 ainda nem chegou e já está cercado de grandes expectativas. É nele que o mundo está apostando todas as suas fichas. Mas pequenas alegrias podem ser experimentadas agora. O Natal bate à porta e, mesmo antes de ser convidado a entrar, espalha no ar o doce aroma de rabanadas.

Acredita-se que elas tenham chegado ao Brasil pelas mãos dos portugueses, embora sua origem possa remontar também à França. Não há como precisar o autor desta delícia. Em tempos tão polarizados, é bem capaz que ele fosse condenado por adeptos das dietas rigorosas ao chafurdar um pão no leite, torturá-lo em óleo fervente e jogá-lo ainda quente em um arenoso terreno açucarado. Tudo extremamente calórico e gorduroso. Para quem, como eu, está do outro lado do espectro gastronômico, ao inventor da rabanada seriam dadas as maiores honrarias. Que ideia brilhante dar ao pão adormecido um banho de leite morno e borbulhas em óleo antes de descansá-lo em uma cama perfumada de açúcar e canela!

As rabanadas costumam abrir ainda uma outra divergência: são melhores servidas quentes ou frias? Resolvo com rapidez a questão: como estiverem. A vida é muito curta – e o apetite imenso – para que a gente perca mais tempo esperando (pois já esperamos um ano inteiro) que esfriem. Ou, se estiverem geladas, para esperar que sejam aquecidas. Aproveito para esclarecer também que não há que esperar momento mais oportuno: são ótimas companhias no café da manhã, igualmente deliciosas como sobremesa no almoço e um doce prazer de fim de tarde. Então é Natal? Que seja com rabanadas…

Foto: CarlaNichiata/Getty Images

8 comentários sobre “Então é Natal

  1. Eu devo ser a única criatura no planeta a não gostar de rabanadas. rs
    Mas é que pão amanhecido para mim é ingrediente essencial para se fazer bruschettas.
    E novembro se foi, está a ir… e lá vem dezembro com ho ho ho e isolamento social.

  2. Acho que 2020 foi feito exatamente disso, os pequenos prazeres que conseguimos desfrutar ainda que em meio a tanto caos.
    Tomara que passemos logo a nos referir a essa fase como algo do passado 🌺

  3. 2020 tinha tudo pra ser O ANO pra mim, não foi como exatamente eu estava esperando mas, posso dizer que aprendi e amadureci muito com ele. Que venha 2021, e que o Natal desse ano pelo menos tenha boas rabanadas hehe

Deixe uma resposta para neutron Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s