Dos amores estranhos

Amar nem sempre é fácil, mas é sempre poético.

Na saúde e na doença
Morreu de amor.
Noivou e vai se casar
com o legista.

Explosão de amor
Já liguei o gás.
Pra fazer café, é só
riscar fósforo.

Aliança
Amar até a morte.
Uns dizem que é castigo;
outros, que é sorte.

Imagem: ‘Fósforo aceso’ (2013), de Roosevelt Modesto

Um comentário sobre “Dos amores estranhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s