‘Em nome de Deus’

Em dezembro de 2018, a coreógrafa holandesa Zahira Mous e a escritora e coach espiritual americana Amy Biank denunciaram ao ‘Conversa com Bial’ abusos sexuais praticados por João Teixeira de Faria, médium conhecido como João de Deus que fazia atendimentos espirituais na Casa de Dom Inácio de Loyola, na cidade goiana de Abadiânia. O depoimento das duas fez com que outras centenas de mulheres ganhassem coragem para revelar traumas pelos quais o curandeiro as fez passar.

O programa deu início a uma profunda investigação jornalística sobre quem era João de Deus, da infância pobre no interior do país a um médium respeitado no Brasil e no mundo, admirado por milhares de seguidores famosos e anônimos que o procuravam diariamente em busca de cura, homem poderoso e influente na política local, em torno de quem girava toda a economia da pequena cidade de Abadiânia.

Os 18 meses de apuração deram origem à minissérie documental ‘Em nome de Deus’, disponível no catálogo do Globoplay desde o fim de junho. São seis episódios de cerca de uma hora cada, que – além de recontar a trajetória de João Teixeira de Faria – permitem ao espectador entender de que maneira ele se valia do poder e do prestígio conquistados para abusar das mulheres e, depois, silenciá-las.

Embora cada capítulo aborde um tema, todos eles são entremeados por uma roda de conversa com vítimas de abuso mediada pela jornalista Camila Appel, que assina o roteiro da minissérie ao lado de Fellipe Awi e Ricardo Calil. Este último divide a direção com Monica Almeida e Gian Carlo Bellotti. Mais aflitivos do que os vídeos das cirurgias espirituais realizadas por João de Deus, são os relatos destas mulheres.

Unidas por um desejo de que a justiça seja finalmente feita, elas perscrutam memórias doloridas para recontar em detalhes a violência que sofreram. Ainda que cada uma tenha lidado de maneira diferente com o abuso, fica descrito de forma evidente o modus operandi com que o algoz agia: valendo-se da momentânea fragilidade e da fé na cura pretendida, abusava delas com a certeza de que a notoriedade conquistada por ele as desacreditaria, caso denunciassem, ou as silenciaria. Funcionou por décadas.

São relatos muito duros, que chegam a provocar ojeriza e repulsa, mas absolutamente necessários. Graças a eles, João Teixeira de Farias está sendo julgado e já recebeu três condenações. ‘Em nome de Deus’ é um exemplo muito bem-acabado de como o jornalismo pode ser poderoso e tem significativa contribuição a dar à sociedade quando apura com rigor as denúncias recebidas e cobra justiça.

Foto: Globoplay/divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s